0

Tecnologia, benefício em prol da vida

Quando falamos de saúde, um diagnóstico preciso pode fazer toda a diferença. E quando o assunto são exames de diagnóstico por imagem, é evidente que a tecnologia influencia na qualidade das imagens e está diretamente ligada à confiabilidade dos resultados, que vão identificar de maneira precoce e precisa diferentes sintomas ou doenças, e permitir, portanto, tratamentos assertivos.

Hoje, não há como prescindir que a tecnologia seja de ponta, desde que ela esteja combinada à excelência profissional. Ou seja, um equipamento moderno exige conhecimento para operá-lo, a fim de que todos os recursos possam ser capitalizados em benefícios à saúde do paciente.

Por estes motivos, além de máquinas modernas, investir continuamente em capacitação profissional, cujo objetivo é otimizar atendimentos prestados aos pacientes, buscando atingir níveis máximos de excelência na área da saúde com o uso dos equipamentos, é primordial.

Esse processo contínuo incide no aprofundamento do conhecimento técnico, objetivando, sobretudo, otimizar a utilização dos equipamentos de diagnóstico por imagem. Desta forma, quando o médico solicita um exame, ele tem certeza de que a qualidade das imagens permitirá diagnósticos precisos.

Investir em novas tecnologias e em excelência profissional é fundamental, para quem, como nós, deseja proporcionar atendimento, segurança e resultados com precisão e qualidade. E mesmo quem é leigo no assunto sabe que com diagnósticos mais rápidos melhora-se o prognóstico das enfermidades, possibilitando ao médico ministrar o tratamento mais indicado, de maneira precoce e adequada a cada caso.

Esse diferencial melhora o bem-estar, aumenta as chances de cura, diminui o tempo de internação e muito mais. Tecnologia é sinônimo de inovação, qualidade e confiabilidade em prol da vida.

Foto-01

Imagem ilustrativa

 

0

Santa Casa de Votuporanga recebe 16 novos médicos residentes

 

A Santa Casa de Votuporanga acaba de contratar 16 novos médicos residentes, que foram aprovados no concurso de residência do Hospital, para compor a sua equipe. Em uma integração realizada na tarde da quarta-feira, dia 1 de março, no hospital, os novatos puderam conhecer a estrutura e o funcionamento do Complexo Santa Casa.

Os profissionais, que estão iniciando suas residências, se especializarão nas áreas de pediatria, clínica médica, cirurgia geral e radiologia. Portanto, a Imagem e Diagnóstico atuará diretamente na formação destes especialistas fazendo com que os médicos mantenham-se sempre atualizados. Afinal, para formar alguém é necessário conhecimento e competência.

O programa de especialização é uma parceria com o Ministério da Educação, ao qual a Imagem e Diagnóstico, junto à Santa Casa, participa para atender os médicos que acabaram de se formar. A clínica realiza a capacitação de residentes em diagnósticos por imagem.

O médico responsável pela COREME, Dr. Fabrício Pereira Andrade, explicou: “A residência médica é uma forma de pós-graduação, vinculada ao Ministério da Educação, que é procurada pelos médicos que desejam aprimorar sua formação e atuar como especialistas”.

Andrade ainda lembra que cada área requer um tempo de aprendizado para que o profissional possa se especializar. “Os programas de residência médica em pediatria, cirurgia geral e clínica médica são realizados em dois anos e o programa de radiologia e diagnóstico por imagem, tem duração de três anos”, informou.

Para deixar os novos médicos mais à vontade e acolhidos, as equipes das áreas de RH médico, Serviços de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), Enfermagem, SESMT, STI e COREME, participaram da reunião para dar as boas-vindas e orienta-los.

“Essa nova etapa na vida desses residentes é muito importante. Por isso, queremos que eles se sintam acolhidos pela Instituição e seguros para desenvolver as atividades. É uma alegria para nós a chegada desses novos médicos que vieram para se especializarem e aprenderem com o nosso corpo clínico”, disse o provedor da Santa Casa de Votuporanga, Luiz Fernando Góes Liévana.

 

Residência médica

O programa é credenciado pela Comissão Nacional de Residência Médica – CNRM/MEC e segue as normas estipuladas pelo Regimento Interno da Comissão de Residência Médica (COREME) da Instituição e Resoluções da Comissão Nacional de Residência Médica.

A COREME da Santa Casa possui médicos mentores, que de acordo com a sua área, acompanharão cada um desses novos profissionais. Entre eles, o médico responsável, Dr. Fabrício Pereira Andrade, os especialistas, Dr. Alexandre Massaki Norio, na radiologia, o Dr. Carlos Alberto Tellis com a Pediatria, Dr. Chaudes Ferreira Da Silva Junior, na clínica médica e Dr. Luis Augusto Antunes Glover, na Cirurgia Geral.

 Novos Médicos Residentes

 

0

Densitometria Clínica – o jeito mais preciso de medir a massa magra, óssea e a gordura

De repente, parece que o peso do tempo começa a ficar mais acentuado e surge uma fraqueza associada a dores nos ossos e articulações, uma sucessão de fraturas e, quem diria, apesar da idade percebemos que a nossa altura está diminuindo e parece que estamos ficando corcundas, isso tem nome: osteoporose. A osteoporose é uma doença metabólica, sistêmica e que acomete todos os ossos.

Como acontece? Como qualquer outro tecido do nosso corpo, o osso é uma estrutura viva que precisa se manter saudável, e normalmente isso acontece mediante a remodelação do osso velho em um osso novo. Porém, a osteoporose ocorre quando o corpo deixa de formar material ósseo novo suficiente, ou quando muito material dos ossos antigos é reabsorvido pelo corpo – em alguns casos, podem ocorrer as duas coisas.

É mais ou menos assim: temos no corpo células responsáveis pela formação óssea e outras pela reabsorção óssea. O tecido ósseo vai envelhecendo com o passar do tempo, assim como todas as outras células do nosso corpo. O tecido ósseo velho é reabsorvido pelas células chamadas osteoclastos e o novo, criado pelas células reconstrutoras, os osteoblastos.

Esse processo de destruição das células é chamado de reabsorção óssea, que fica comprometido na osteoporose, pois o corpo passa a absorver mais osso do que produzir ou então, a não produzir o suficiente. Entenderam?

E o cenário não é nada alentador: a International Osteoporosis Foundation na América Latina aponta que a incidência da doença no Brasil deverá crescer cerca de 32% nestas próximas três décadas, devido ao aumento da expectativa de vida da população. E, como diriam os antigos, é melhor prevenir do que remediar, portanto, é preciso buscar um diagnóstico o mais breve possível. Assim, um exame preventivo é mais do que necessário.

Aí, entra em cena a densitometria clínica que, apesar do nome meio complicado, é um exame simples, rápido e o paciente não sente desconforto algum. O aparelho consegue detectar locais de redução da massa óssea com excelente precisão, fator imprescindível para que o médico possa planejar  o tratamento específico para cada caso.

A partir dos 45 anos, é importante medir a massa óssea por meio de exames de densitometria. Aconselha-se que todas as mulheres, a partir dos 65 anos, e homens com 70 anos ou mais, façam a densitometria clínica anualmente, independente dos fatores de risco. Além deles, as mulheres na pós-menopausa com menos que 65 anos de idade e homens entre 50 e 60 anos com fatores de risco também devem fazer o exame anualmente, bem como qualquer pessoa que sofreu fraturas e tem risco associado.

Vamos, previna-se, o exame de densitometria clínica é rápido e indolor e, se você é praticante de atividades físicas, ele é muito eficaz para auxiliar corretamente os seus exercícios, de modo que os treinos também possam ser pensados para prevenir ou tratar a osteoporose. Portanto, informe-se com seu médico e, enquanto isso, cuide melhor da sua alimentação, optando por uma dieta equilibrada e rica cálcio, encontrado em produtos lácteos, peixe, vegetais verdes, legumes e frutas.

Abandone os vícios, pratique uma atividade física e curta moderadamente este sol maravilhoso que nos brinda todos os dias, afinal, saúde é o que interessa!

POST2

 

0

Período de entrega de resultados são reduzidos na Imagem e Diagnóstico de Votuporanga

Redução é possível por meio da Campanha de Tabela Diferenciada

 

Desde março a Imagem e Diagnósticos de Votuporanga trabalha com a Tabela Diferenciada, uma tabela criada para suprir a alta demanda de ultrassonografias e ressonâncias magnéticas.

A gerente administrativa da unidade de Votuporanga, Eliane Fiori, falou sobre a agilidade que a tabela permitiu na entrega dos resultados dos exames e os diversos benefícios aos pacientes. “O custo-benefício para o paciente é excelente. Com a organização da tabela os exames de ultrassografia e ressonância magnética ficam prontos mais rápido, agilizando o diagnóstico e o tratamento necessário e tornando eles mais acessíveis à população”, explicou.

A demanda de exames havia aumentado, afinal, eles são fundamentais para diagnosticar e tratar doenças específicas. “A tabela propôs uma nova organização nos horários de agendamento, assim a gente conseguiu distribuir melhor os diferentes tipos de exames realizados e entregá-los no prazo máximo de um dia” disse Eliane.

 

Os exames

A ressonância magnética analisa com detalhes a anatomia do corpo humano, ajuda no diagnóstico e no acompanhamento de doenças com precisão e é um importante guia para os cirurgiões. Já a ultrassonografia, é um método diagnóstico que utiliza o eco produzido pelo som para observar, em tempo real, reflexões produzidas pelas estruturas e órgãos do organismo e construir as suas imagens. Os exames podem ser realizados na unidade da rua Minas Gerais, anexa à Santa Casa de Votuporanga.

SERVIÇO:

Rua Minas Gerais, 3051 – Anexa à Santa Casa de Votuporanga

Votuporanga-SP

Fone: 3426-5490/ 3405-9147

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

0

Alexandre Parma participa de Curso Oncológico Avançado

dr-alexandre-h-c-parma - com fundo

O curso abordou cânceres de pulmão, fígado e rim.

O médico radiologista Alexandre Parma, da Imagem e Diagnóstico de Votuporanga, participou do Curso Avançado de Diagnóstico por Imagem em Oncologia que foi realizado nos dias 25 e 26 de agosto, em São Paulo.

“É sempre muito bom, pessoal e profissionalmente, poder participar de eventos como esse: com alto padrão de qualidade e, principalmente, sobre um assunto tão importante” afirmou Parma.

A realização do evento foi uma parceria  entre o Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Escola Europeia de Radiologia (ESOR) e teve como tema principal Medicina Interna e área Torácica, especificamente sobre a realização de diagnósticos em cânceres de pulmão, pâncreas, fígado e rim.

Essa foi a sexta edição do curso no Brasil, voltado para radiologistas especialistas e residentes no último ano de especialização e ofereceu uma revisão aprofundada e atualizada dos diferentes e relevantes aspectos da imagem em pacientes oncológicos.

Curso ESOR AIMS

O curso é formado por um corpo docente de especialistas atuantes no Brasil e na Europa. O curso foi patrocinado, neste ano, pela empresa Bracco. As inscrições foram permitidas apenas para associados em dia com o CBR e ESR e apenas 90 interessados de cada cidade podem participar, entre eles o médico Alexandre Parma. Mais informações em: www.cursoesor.com.br.